Louder Than All - Episode II

Louder Than All - Episode II

Texto: Margarida Salgado

Fotos: Hugo Rebelo Fine Art Photography

Mal as portas do RCA club tinham aberto e já se encontravam algumas caras conhecidas à entrada para festejar o 7º aniversário da SFTD radio.

ve todas as fotos aqui 

O arranque das festividades do Louder Than All - Episode II deu-se por volta das 21:15h com os lisboetas Impera a subir ao palco com seu melodic /groovy/ progressive metal numa sala já algo composta. Apesar de estarem a “competir” com o horário do “derby sagrado” a decorrer nas redondezas, os Impera mostraram a sua garra e energia contagiante estimulando o público que retribuiu o entusiasmo havendo até algum mosh. A banda que anunciou recentemente a saída do seu guitarrista Frederico Chaves apresentou-se em palco com David Alves (ex-Adamantine) mantendo assim o seu poder sonoro.

 

Inner Blast foi a banda que se seguiu com o seu gothic metal numa sala já mais preenchida. Numa atuação bastante coesa, a voz incontornável de Liliana e o impacto visual “de encantamento” ao qual já nos habituaram, esta banda mostrou uma vez mais a razão pela qual têm cada vez mais seguidores, numa sala mais tranquila, mas mais atenta, onde foi notória a satisfação dos presentes no final da prestação.

 

A banda portuense Blame Zeus arrancou a todo o gás, apanhando o público desprevenido que ainda se encontrava, na sua maioria no exterior. Mas à medida que a extraordinária voz de Sandra Oliveira ia debitando os temas, a plateia ia crescendo e rendendo-se à excelente prestação da banda. Como bónus tivemos ainda a oportunidade de ouvir pela primeira vez tocado ao vivo o novo tema Déjà Vu.

 

Mantendo o nível de qualidade desta festa vieram de seguida os Primal Attack determinados a agitar as hostes e a “mexer a sala”. Apesar de um ligeiro problema (rapidamente resolvido com a guitarra de Miguel Tereso ) foi sem dúvida um objetivo alcançado com sucesso através de uma performance intensa e implacável terminando com Nuno Santos a ser levado no crowd surfing em Strike Back.

 

Dando oportunidade ao público de recuperar o fôlego, quase toda a team SFTD subiu ao palco para que na pessoa do Nuno Santos, responsável pelo projeto, se pudessem efetuar os devidos agradecimentos pelo apoio dado ao longo destes 7 anos de existência e convidar os presentes a provar uma fatia do seu bolo de aniversário.

 

Childrain subiram ao palco para encerrar as comemorações. A banda de thrash metal espanhola mostrou toda a sua competência e dedicação tanto na visualização em palco com uma luminosidade incrível, como na sonoridade brutal. Não obstante a audiência já demonstrava sinais de cansaço e apesar do interesse não se mostrou tão participativa. E foi assim que chegamos ao fim desta festa de amigos, com amigos e para amigos. Foi com esta sensação que entrámos e foi com a mesma reforçada com que saímos. Uma alegria partilhada entre caras familiares pertencentes à mesma “tribo”.

 

Um ponto extremamente positivo além da disponibilidade e simpatia do staff SFTD foi o som que manteve um registo exemplar em todos os concertos.

 

Long live SFTD radio!