Cruz de Ferro - "A Lúcifer"

Cruz de Ferro ArtWork "Morremos de Pé"

 "A Lúcifer" o novo tema a incluir no álbum "Morreremos de Pé"


Nunca uma personagem em toda a História terá sido tão enaltecida e denegrida quanto Lúcifer [do latim: lux fere, lucis fere, «o que traz a Luz»], favorecendo uma profunda evocação em todas as culturas antigas, as quais dotaram este ‘humano conceito’ com inúmeros nomes e tantos outros epítetos. Enquanto «Portador da Luz», o qual vomitou impropérios contra a suposta Divindade, entre outras tropelias pérfidas, permaneceu um figurino de si próprio por todos os séculos.

Visceralmente misógino, encarnou a «Luz da Manhã», mas é agora atormentado pela sobriedade niilista e a cobardia do quotidiano. Estamos novamente a viver de temporum fine comœdia, pelo que se exige uma nova invocação da «Estrela d’Alva»! Para que exista o Bem é imprescindível a comparência do Mal. E vice-versa. Contudo, o mundo é muito mais do que duas facções antagónicas, tendo em conta que muitos homens nunca ouviram falar de Deus ou Lúcifer. Para esses imaculados no desconhecimento, o mundo está adiante dos sonhos e da imaginação. E para que não persista a damnatio memoriæ, só o bar vazio e uma estação de caminhos-de-ferro sem ninguém, qual Lúcifer sem fogo que nos ilumine.

Porque o mais belo Ser de toda a Criação representa o ímpeto que faz bater o coração feroz da revolta dos homens, prestes a despertar um dia destes. Eis um aviso para os tempos que se avizinham. Não é que a História se repita, o Homem é que permanece igual desde a sua criação|evolução|destruição! E continua inexoravelmente mau, como sempre o foi. A História é, em boa justiça, uma assustadora História de Lúcifer!